domingo, 23 de novembro de 2014

SOBRE AS ÁGUAS DO MAR



E os discípulos entrando no barco, com destino a Cafarnaum, navegaram cerca de 5000 metros mais ou menos, e viram a Jesus andando sobre o mar e aproximando-se do barco, e temeram. Porém ele lhes disse: “Sou eu, não temais(João 6. 19-21)

    Nos fenômenos paranormais existe a faculdade de levitação, que é o processo pelo qual se consegue suspender objetos, corpos em uma posição estável, contrariando assim as forças da gravidade. Até mesmo por métodos científicos através de jatos de gás invisível se consegue impulsionar objetos no sentido ascendente (Fonte origem: Wikipédia, a enciclopédia livre). Só para elucidarmos qualquer dúvida.
         Agora imaginemos Jesus, o Mestre celestial sob a égide de Deus, com todos os poderes mentais equilibrados e capacitados acima das leis da Natureza terrestre... Era facílimo para o Mestre da Luz levitar, e depois se projetar fisicamente sobre as águas do mar.

              Também existe um fundo moral nessa passagem de Jesus caminhando sobre as águas.
         A nossa existência no planeta Terra é como se fosse um barco navegando sobre as águas do mar da vida e impulsos dos ventos provacionais, onde muitas das vezes com as ondas das preocupações rotineiras vamos sentir medo, ansiedade, transtorno, tristezas, depressão, agressividade, resistência para atingir os objetivos positivos da felicidade. Estejamos firmes, pois, "no mundo tereis aflições (João 16. 33)". 
 

      Essa é a hora certa do socorro divino: - de convidarmos Jesus para amparar o barco das nossas provações, controlando o leme de nossos temores, e orientar a navegação de nossas vidas, com segurança, no decorrer das tribulações da existência carnal.

            Não desanimemos! Coragem! Jesus nos ampara acrescentando-nos forças para os embates do dia a dia!
             
relato bíblico
João 6. 16-21

Voz
Q
Clama
Intensivo Difusão Espiritualidade Evangélica – IDE






quinta-feira, 13 de novembro de 2014

O MILAGRE DOS PÃES





          “Grande multidão seguia a Jesus por toda parte, porque via os sinais que operava sobre os enfermos. E Jesus estava preocupado com a multidão: onde adquirir tanto alimento para saciar a fome daqueles que o acompanhavam? André comunicou a Jesus: está presente um rapaz que tem cinco pães de cevada e dois peixes pequenos. Mas o que é isto para tanta gente?
       E Jesus tomou os pães e havendo dado graças, repartiu-os pelos discípulos e os discípulos pelos que estavam assentados, e igualmente dos peixes quanto eles queriam (João 6. 1-14)”


       O homem guarda em si mesmo grande faculdade mental a desenvolver para o infinito, porém que jaz em estado embrionário. E, numa era ainda muito distante terá competência para movimentar com dignidade as energias espirituais que reinam no seio da Natureza. Assim como Jesus acionava com maestria esse potencial para o bem das pessoas.

“Se tiverdes fé todas as coisas te serão possíveis (Marcos 9.23).” E, concluímos: para as realidades da vida celestial em Deus. A nossa fé ainda é bem limitada, por não está ainda dirigida pelo amor divino que dá a harmonia em todas as coisas.

       Jesus repassava conhecimentos baseado na boa vivência, em uma ocasião ele realçou: “aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as realizará maiores do que estas, porque vou para o Pai, e tudo quanto pedirdes em meu nome eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho”.

    O trabalhador das causas de Jesus tem que praticar o desprendimento na obra que está sendo coordenada, e que pertence ao Pai; pois para servir a Deus com amor temos que servir ao nosso próximo com fraternidade desinteresseira, sem esperar gratificações e recompensas humanas (Mateus 6. 19-21 E João  6. 27).
       Por isso é que não realizamos a obra de Jesus com a mesma qualidade que os Apóstolos dos primeiros tempos da boa nova a consagraram, pois não exercitamos os esforços constante em amar as pessoas assim como Jesus amava e servia. Mas, não vamos ficar tristes pela nossa inabilidade. TUDO é um aprendizado, as buscas para o Reino Divino são conquistadas de etapa em etapa, de aprendizado em aprendizado.
      Cada dia é uma oportunidade nova de iluminação e crescimento para Deus, vamos trabalhar muito o nosso lado espiritual no paradigma do Cristo: perdão, amor, fé, compreensão, tolerância, simplicidade, esperança, fraternidade, caridade, edificação sem sessar na intimidade de nosso ser, no bem e no belo. 


       Qual o processo pelo qual Jesus multiplicou os pães e os peixes?  O Mestre atuava na matéria fundamental do átomo e multiplicou o pão, assim como o homem hoje na atualidade, com os recursos da Ciência e da tecnologia processa uma cópia, uma xerox, uma clonagem.

         Jesus utilizava em elevado grau os recursos infinitos da Ciência de Deus, onde sob a sua vontade poderosa os Anjos do Senhor, que o assessoravam invisivelmente de outra dimensão, e o ajudavam a condensar as energias do seio da Natureza que estão em estado de fluidos virgem, e materializavam essas forças instantaneamente multiplicando as substancias alimentares tomando como modelo inicial a essência do principio básico do átomo dos dois peixes e dos cinco pães que alguém lhe ofertou naquele momento, e assim processou o milagre da multiplicação dos pães, saciando a fome de multidão de pessoas que o acompanhavam há dias.

     relato bíblico
 

João 6. 1-14


Voz
Q
Clama
Intensivo Difusão Espiritualidade Evangélica – IDE




domingo, 9 de novembro de 2014

PESCA MARAVILHOSA






          E Jesus disse a Simão: “navega um pouco para o mar e lançai as vossas redes para pescar.” E respondeu-lhe Simão: “Mestre, havendo trabalhado toda noite nada pescamos; mas, sob tua palavra lançarei a rede”. E procedendo de acordo com o estímulo da palavra de Jesus lançaram a rede ao mar e colherem uma grande quantidade de peixes, que transbordava a orla da rede quase lhes rompendo os fios (Lucas 5. 1-7)

        Esse encontro pela manhã de Jesus com os discípulos que regressavam da pescaria infrutífera da noite passada representa um quadro belo na sua simplicidade, onde o Mestre pede atenciosamente que lançassem novamente as suas redes ao mar.
        

        Quantas vezes nos esforçamos diariamente na conquista dos objetivos trabalhistas que nutrem a sustentação do nosso bem estar perante a sociedade, e muitas coisas são precedidas de obstáculos para testar a nossa capacidade. Essa é a oportunidade de refletir com sensatez para não entrar em desânimo, e acreditar sempre que todo bem é possível, é só perseverar nessa busca. É a hora de haurir inspiração junto aos Poderes Celestes que impulsionam a evolução humana.
       
                                             NINGUÉM ESTÁ SOZINHO... 
         
        Deus está presente em nossas vidas é somente prestarmos mais atenção às belezas da Natureza! Vamos ser gratos! E estar sempre animado para confiar nesse Amigo celeste, que nos acompanha invisivelmente em nossa jornada terrestre, e que nos convida cada manhã para regressar ao mar das atividades e lançar a nossa rede com disposição no trabalho construtivo pela manutenção do nosso corpo e bem estar de nossos familiares, sem jamais desanimar.

        Como Jesus operou o milagre da pesca? Através do seu imenso poder sobre todos os fenômenos naturais no planeta Terra (Mateus 28-18). Não nos esqueçamos daquela passagem onde Jesus conclama a sua dinâmica atuação tanto na natureza material quanto na dimensão espiritual: “vereis o céu aberto e os Anjos de Deus subirem e descerem sobre o Filho do homem (João 1. 51).” 
        E concluímos: para executar as ordens de Jesus, de outra dimensão, no seio da Natureza.

                                   relato bíblico
                                Lucas 5. 1-7

Voz
Q
Clama
Intensivo Difusão Espiritualidade Evangélica – IDE
http://voz-doespirito.blogspot.com.br/







sexta-feira, 7 de novembro de 2014

DIANTE DA TEMPESTADE




          “E Jesus admoestou-lhes: Por que temeis homens de pouca fé? E, então levantando-se repreendeu os ventos e o mar, e seguiu-se uma grande bonança” (Mateus 8. 23-27)

           Jesus tem o poder sobre os fenômenos da natureza física, pois sabemos através da revelação dos Espíritos superiores, na Codificação Espírita, que Cristo detém toda autoridade espiritual no planeta Terra, sob a ordem de Deus.

           Muitos talvez contestarão: se Jesus  é o diretor de todos os elementos que regem a vida no nosso planeta, então por que há muitas injustiças e maldades no seio dos povos?

           Jesus é o regente do planeta Terra no contexto sideral, porém o homem na crosta terrestre tem o livre arbítrio de executar as suas obras humanas diante da sociedade, de acordo com a sua evolução moral e intelectual. Isso tudo é um programa cósmico de desenvolvimento material e espiritual, incremento para um nível maior de mentalidade - a perfeição macro em todas as coisas.
         Somos artífices, construtores também desse progresso, por isso a causa justificadora: “a cada um segundo suas próprias obras, senão não haveria aprendizado”. Jesus não quer aniquilar a alma do homem, e sim educá-la (Lucas 9. 51-56))

          Como já sabemos a vinda de Jesus ao seio da humanidade terrestre teve a sagrada missão de difusão dos princípios da boa nova do Reino Divino para sua interiorização nos corações humanos, mensagens essas de despertamento do belo, para o bem na consciência humana.
         Tudo que Jesus ensinou e vivenciou tem um sentido de auto-ajuda educativa para as pessoas neste plano de provações corretivas.

          Não devemos nos abater diante das tempestades provacionais, precisamos nos levantar sempre, ter bom ânimo e vencer os ventos tumultuosos, superar as dificuldades passageiras porque após os temporais sempre sopra a bonança dos bons fluidos.

          Vamos cultivar a fé construtiva... ter bom ânimo em todos os lances da existência e colocar as orientações de Jesus no leme de nosso barco, que servirá de bússola para o nosso destino ao porto seguro nos canais da Vida, sob as bênçãos de Deus, Nosso Pai Celeste.
                                                                                              
                                                              Mateus 8. 23-27


Voz
Q
Clama
Intensivo Difusão Espiritualidade Evangélica – IDE