terça-feira, 22 de agosto de 2017

CONTRADIÇÕES DO EVANGELISMO PASTORAL





“Pela graça sois salvos, por meio da , e isso não vem de vós - é dom de Deus. Não vem de obras, para que ninguém se glorie”. (Efésios 2. 8-10)
Analisemos com discernimento: Não é QUALQUER OBRA que nos edifica com Deus, às vezes grandes projetos de obras realizadas são marcados pelo orgulho, pelo egoísmo, e até pela corrupção.
As obras que nos edificam com Deus são aquelas que Deus preparou para que andássemos nelas: as BOAS OBRAS – Efésios 2. 10; isto é, são as boas obras que visam o bem comunitário SEM os carimbos do personalismo que intencionam as recompensas e vantagens materiais para quem realiza.
Porque toda BOA OBRA e todo dom perfeito vem do Alto, descendo do Pai das Luzes, em quem não há mudança e nem sombra de variação – Tiago 1. 17. E essas boas obras é que devem brilhar em nossas vidas para que através delas Deus seja glorificado - Mateus 5. 16.
E, é por meio dessas boas obras que vamos ser justificados com Deus: "aos que fizerem o bem (boas obras) sairão para a ressurreição da vida - João 5. 29"
Agora se pergunta: "se a salvação é de graça e é dom de Deus, por que então se insiste tanto em cobrar pesados dízimos nas igrejas?"
Eles vão responder: é para "obra do Senhor". No entanto, eles esquecem que o Senhor ordenou: “Ide e pregai o evangelho, curai os enfermos, expulsai os demônios, e de graça recebestes, de GRAÇA DAI... Não possuais cobre e nem prata em vossos bolsos (Mateus 10 7, 14)”. Trabalhai não pela comida que perece, mas por aquela que permanece para a vida eterna (João 6. 27). 
E adverte o Senhor aos que agem em desacordo com os seus ensinamentos: "por que me chamais Senhor, Senhor e não fazeis o que vos digo?" - Lucas 6. 46 - Pois cobrais dízimos em nome da crença; no entanto desprazais o mais importante para o crescimento espiritual: "a misericórdia, a caridade, a justiça, a fé, ou seja: os dons da graça (Mateus 23. 23); (I Timóteo 6. 7 a 11).
                            
Aí eles contra-dizem: o Pastor tem que se alimentar, se vestir, e ter utensílios domésticos.
Então, por que os Pastores não agem como orienta “a palavra divina?” Tal qual é citada quando é pra exortar as pessoas; porque na palavra evangélica conforme registra em Atos dos Apóstolos 18. 3 que evidencia que Paulo TRABALHAVA diariamente como tecelão para se sustentar normalmente, e o mesmo ainda nos orienta: “vós mesmos sabeis como convém imitar-nos, pois nem de graça comemos o pão algum de homem algum, mas com trabalho e fadiga, trabalhando noite e dia, para não sermos PESADO a nenhum de vós – 2 Tessalonicenses 3. 7, 8”, em outras palavras: viver às custas de uma comunidade
Nesse ponto da conversação vão insistir que o dízimo tá na Bíblia.
Isso mesmo pessoal tá nas escrituras do velho testamento bíblico onde tinha a finalidade social de ajudar as pessoas carentes (BOAS OBRAS), é somente lê: “recolhimento ANUAL (por ano), da décima parte das riquezas recolhidas do campo (agropecuária) que eram destinadas a assistência daqueles que estavam incapacitados de trabalhar - enfermos, viúvas, órfãos, idosos e até mesmo ajuda a estrangeiros que necessitassem de abrigo – Deuteronômio capt 14 vers 22 e capt 26 vers12 a 13” - lei civil prescrita por Moisés
Nada para uso pessoal, particular, ou pagamentos salariais trabalhistas; e sim, com a finalidade assistencial (benefício social) de ajudar as comunidades carentes em Israel.
E assim o meio Pastoral Inseriu na evangelização moderna as normas civis do povo hebreu relacionadas ao dízimo, que funcionavam como fundo social, e a utilizam como arrecadação mensal manipulando como se fosse um mandamento no evangelho obra da redenção que “é de graça, e que tem que ser divulgada de GRAÇA”. Ou seja: SERVIÇO VOLUNTÁRIO - nada negocial. 
Que a nossa recompensa venha de Deus e não dos homens (Colossenses 3. 23, 24). Ajuntai, pois, tesouros no Céu (Mateus 6. 19)
E, eles se esquecem de dar exemplos honrados como todo cidadão comum faz para sustentar com esforço e suor a sua família, que é o trabalho assalariado nos meios legais da sociedade (2 Tessalonicense 3. 10, 11)quer seja: como carpinteiro, pescador, tecelão, pedreiro, jardineiro, professor, advogado, engenheiro, médico, comerciante, empregado, funcionário público, ou até mesmo empresário etc...
Por que a obra pastoral age como "vendilhões da graça?" Preferindo comer a gordura das ovelhas de suas igrejas. E esquecem esta outra advertência bíblica, em Ezequiel 34. 2-4 - Assim diz o Senhor: Aí dos pastores que se apascentam a si mesmos! Comeis a gordura e vos vestis da lã, e degolais o cevado, mas não apascentais as ovelhas. Porque a fraca não fortalecestes, e a doente não curastes, e a quebrada não carregastes, e a desgarrada não vigiastes, e a perdida não buscastes, porém dominais sobre elas com aspereza e sugando-lhe as forças.
Apascentar as ovelhas é dar exemplos corretos na pregação. 
vamos conscientizar os cristãos

Voz Clama
Intensivo Difusão Espiritualidade Evangélica – I D E
Voz do Espírito




domingo, 9 de julho de 2017

FORÇAS SAUDÁVEIS






     Não deixe mágoas focar no coração,

isso funciona como forças esmagadoras no ser. Não é somente o agressor que merece piedade; e sim o coração
que é digno de pulsar sob influxo de forças saudáveis que só a caridade irradia.

Voz Q Clama
Intensivo Difusão Espiritualidade Evangélica – I D E
Voz do Espírito



sexta-feira, 10 de março de 2017

PLANETA TERRA E O CORPO HUMANO





Planeta Terra, nosso mundo, morada das almas humanas que o Senhor da Vida nos concede como um educandário para a evolução de nossa alma, é uma cópia do corpo humano; ou, esse é que é uma cópia aperfeiçoada dos centros de forças da Terra.
O corpo humano tem veias onde se faz a circulação do sangue; a Terra tem os rios por onde circulam as águas.
O corpo humano é formado por mais de 70% de água; a Terra mantém a mesma proporção.

O corpo humano tem uma atmosfera que o circunda; a Terra tem sua própria atmosfera que a protege.
O corpo humano tem um coração que pulsa dentro do peito; a Terra tem uma essência ígnea que borbulha no seu âmago.
O corpo humano têm muitos meridianos por onde transitam as energias; a Terra têm seus meridianos onde circulam muitas forças.
O corpo humano têm seus centros de força; a Terra, igualmente tem suas aglomerações energéticas.

O corpo humano tem um aglomerado de poros com vários objetivos; a Terra tem os mesmos processos nas primeiras camadas que a cobrem.

Descem do mundo astral irradiações cósmicas que são filtradas pelos chacras do agregado físico; o Sol projeta sua luz em direção à Terra e seus raios filtrados emprestam vida ao planeta.

O corpo humano obedece à lei do movimento; a Terra se parar falece toda vida.
O corpo humano é saturado por um número sem conta de pequeninas vidas – as células; a Terra é formada por trilhões e trilhões de átomos.
O corpo humano é montado sobre um esqueleto ósseo; a Terra apoia todos os seus contornos em camadas de rochas.
Eis a razão de afirmarmos que a Terra é um corpo celeste idealizado pelo Criador para o desenvolvimento da vida, com a finalidade das criaturas que habitam em suas camadas evoluírem através de um corpo material formado pelas forças bio-físicas da Terra. Por isso Jesus comparou a Terra ao estrado dos pés de DeusMateus 5. 35.
 
do livro Iniciação - viagem astral, mensagem do espírito Miramez, psicografia João N Maia, editora Fonte Viva
 Voz Q Clama
Intensivo Difusão Espiritualidade Evangélica – I D E
    Voz do Espírito



sábado, 19 de novembro de 2016

REENCARNAÇÃO DO PROFETA ELIAS



     O testamento pessoal do Cristo confirmado no Evangelho


   “E se quereis acreditar (nas profecias), este é Elias (o profeta) que estava para retornar... reafirmou Jesus referindo-se a João Batista (Mateus 11, 7 a 15). 
    Quanto ao fato verificado na materialização fluídica do espírito Elias, manifestando-se visivelmente na forma e ubiqüidade da encarnação antiga. E, se recentemente vivera a experiência carnal na pessoa humana de João Batista. Pois o próprio Mestre esclarece este caso, de que Elias e João Batista é mesmo ser espiritual, em reencarnações diferentes, conforme testemunho de Jesus em Mateus cap 11 vers 10 a 14.
    Estava-se fechando um cerco terrível de perseguições aos trabalhadores da evangelização primitiva por parte do governador da Judéia, que autorizara a prisão de João Batista e conseqüentemente dias após a sua reclusão à cadeia, ocorre a sua morte por degolamento durante os festejos do natalício de Herodes, vide Mateus cap 14 vers 6 a 12.
   E alguns meses depois da morte física de João Batista é que manifesta-se o fenômeno da transfiguração de Jesus, no monte Tabor.
    - Por que, então, no monte Tabor, aparece o perfil do espírito Elias, ao invés de apresentar-se na forma de João, que era a figura mais recente de sua reencarnação?

    Nada de sobrenatural!!! E nem derrogação das causas naturais que regem os dois planos de vida: material e espiritual.  Tudo, enfim, se assenta no poder imensurável da Criação de Deus e na grandeza da vida universal. 
      A Ciência humana atualmente estuda o princípio das mutações físico-químicas de algumas bactérias, que apesar de ser a menor forma de vida na Natureza, e encara esses estudos de mudança de formas desses micro-organismos de modo natural. Ampliando-se os horizontes da vida, na dimensão espiritual dos espíritos superiores, como é o caso de Elias/João Batista, O SER tem a faculdade, liberdade, e poder de se transmutar em uma configuração de veste espiritual de suas vidas passadas, e se apresentar nessa forma perfeitamente normal.    
         DEUS ESTAVA DANDO MAIS UMA LIÇÃO AOS HUMANOS, DA GRANDEZA DA VIDA, E IMORTALIDADE DA ALMA. POIS PARA DEUS NÃO HÁ IMPOSSÍVEL... TODAS AS COISAS SÃO POSSÍVEIS
       As experiências vividas pelo espírito em suas reencarnações não se perdem no tempo; e sim, ficam armazenadas na subconsciência etérea do Ser, que pode naturalmente pela vontade divina e força elástica da mente extrafísica, reassumir as suas lembranças e formas gravadas no espaço de suas existências, sem prejudicar o todo de suas vestes espirituais – o perispírito. Isso ocorre naturalmente com espíritos de grande evolução já lapidados no fluxo das reencarnações.
    Além dessas verdades, a Providência Divina estava reservando à humanidade futurista, com a gloriosa transfiguração e materialização espiritual - profundas noções de imortalidade da Alma.
Moisés simbolizava a justiça  –  o decálogo;
Elias representava os profetas do Senhor.
    Para Deus não existe o impossível, e para os homens o nada é ignorância de causa e as trevas ausência absoluta de luz.
        A Terra, na sua imensa trajetória orbital que obedece às leis físicas e espirituais da mecânica celeste, não é apenas uma gigantesca bola a esmo no espaço. E sim, uma grandiosa estrutura de forças vivas delineadas pela Sabedoria de Deus para desenvolvimento dos seres inteligentes que moram na sua superfície material e dimensões etéreas do extrafísico.
       Muitos religiosos erram em desconhecerem as Escrituras e o infinito Poder de Deus na Criação universal.
    Mas, digo-vos que Elias já veio e não o reconheceram...  Então os discípulos compreenderam que João Batista era o Elias (anunciado pelo profeta Malaquias, há 400 anos antes da era cristã)
(Mateus 17. 1 a 13)    
     Esta é a revelação do próprio Cristo, que tinha pleno conhecimento da preexistência daquele Ser quando numa época anterior, em outra geração, há 9 séculos passados vivera no plano físico aquela experiência de Profeta  com o nome de Elias.  E apesar de ser grande diante da vida em valores morais; iluminado já desde o ventre materno conforme narração em Lucas 1. 15; e em relação à humanidade de sua época, século I da era cristã, ser classificado por Jesus mais que um simples profeta. E muito embora possuidor de toda essa grandeza espiritual: não estava à altura de ser considerado o menor no Reino dos Céus (Mateus 11. 1 a 13). Faltou-lhe, portanto, quando vivera aquela missão em tempos passados ter completado a perfeição relativa para ingressar na hierarquia espiritual celeste e participar com perfeição da Natureza dos Anjos.  Pois naquele tempo em que fora Elias cometera uma falta grave que afetara o carma coletivo de muitas criaturas contemporâneas: concordara com a violência exterminando por degolação vários adversários considerados falsos religiosos (I Reis 18. 17 a 40). Conseqüentemente este fato fora determinante na predestinação dos ascendentes do seu renascimento em uma época futura, tendo que passar pelas tribulações que infligira ao próximo – ser também provado por divergências culturais e religiosas (Mateus 14. 1 a 12).  
          Conscientizou Jesus no Apocalipse 13. 10, o principio causal de ação e reação que rege a existência dos seres espirituais: " se alguém leva em cativeiro, em cativeiro irá; se alguém matar à espada; necessário é que à espada seja morto. Aqui está a paciência e a fé dos santos". 
     Embora se queira defender a verdade absoluta, isso não justifica as perseguições e violências em nome da crença. Em Jesus nós temos o paradigma do respeito que se deve a todas as culturas religiosas, pois quando fora instigado pelos seus seguidores para que mandasse descer fogo celeste para consumir os adversários, tal qual fez o profeta Elias em existência anterior, os repreendeu esclarecendo que a finalidade evangélica não era de destruição às almas humanas, e sim para resgatá-las do mal, encaminhando-as para o seio espiritual do Pai celeste (vide Lucas 9. 51-56).    
     Assim, as reencarnações diversas ocorridas em intervalos seculares nos Mundos materiais, aprimoram o Ser, a mente intelectual do Espírito que crescendo dentro de si mesmo desenvolve a razão angélica: o Espírito Divino, onde homem deve participar desta natureza com o seu Criador. Afirmou o Divino Mestre: O Reino Divino está dentro de vós mesmos (Lucas 17. 20 a 21); Vós sois o templo divino (I Coríntios  3. 16);  E vós sois deuses (João 10. 34 a 35).  Este é o princípio de Cristo ter definido Deus como sendo o nosso Pai Celestial.
    Matéria viva: células concentradas de energias criadoras. E quando o espírito, pelo renascimento, sofre o choque vibratório do esquecimento temporário nas faixas da vida física, forças magnéticas poderosas descortinam na estrutura íntima da alma. Isso é que faz progredir a razão, o intelecto, o Ser...   Evolve a matéria e aperfeiçoa-se intelectualmente o espírito.
          Os seres que viveram os primeiros estágios de uma humanidade primata e selvagem não extinguiram a essência da vida – a Alma num caos total. Apenas através das gerações cada vez mais aperfeiçoadas, essas almas são revestidas naturalmente de novas formas materiais pela força da vida; desenvolvendo o raciocínio, a consciência intelectual e moral.
    “Eis que envio diante da tua face o meu mensageiro, que preparará diante de ti o teu caminho (Mateus 11. 7 a 10)”
   As grandes missões que impulsionam a evolução moral e intelectual da humanidade são programadas no tempo e espaço da hierarquia superior celeste, isto é, na dimensão imaterial dos Anjos. E Jesus consolida a preexistência e predestinação elucidando trechos das Escrituras sagradas do livro de Malaquias capítulo 3, quando há 4 séculos passados a C., fora intuído através do profeta os acontecimentos espirituais do porvir que renovariam as paisagens religiosas do planeta na época do Messias, - o Cristo divino; e também a preparação dessa obra precedida por um mensageiro espiritual de grande porte: o espírito de Elias redivivo nos fluidos carnais do mundo terrestre na personalidade de precursor da boa nova do Senhor.
     Reencarnação na Bíblia 
      Abrahão Ribeiro
Voz Q Clama
Intensivo Difusão Espiritualidade Evangélica – I D E
     Voz do Espírito