domingo, 29 de abril de 2012

UM CASO DE SONHO INSTRUTIVO - Além do Plano Carnal






   Tudo foi muito rápido e decisivo a minha transferência para o sul do Brasil.


  Último trimestre do ano de 1995, num intervalo de 45 dias, foram dois sonhos lúcidos fora do corpo físico que me deixaram bastante preocupado, porque sugestionava imagens de mudança, e de meio ambiente. E toda mudança sempre causa estresse emocional nas pessoas.


   Estava deitado no meu quarto conciliando o sono noturno, de repente: observei-me como se estivesse no recinto de trabalho da minha empresa Banco do Brasil, realizando minhas tarefas normais de atendimento ao público.
            Repentinamente percebo imagens de uma mudança brusca no local como se uma ventania entrasse por todas as aberturas do prédio e transforma o panorama de trabalho.

     Entrevejo no sonho os colegas saindo com pressa do ambiente de trabalho e deixando as tarefas incompletas, observo mesas, papéis e material de expediente mudando de lugar com rapidez impressionante, e percebo com surpresa o espaço de trabalho se comprimindo para atender o expediente, e que na miragem daquele sonho, se avolumava com um público em filas numerosas que buscam os serviços do Banco.

      Reflexões surgem em meu inconsciente na visão do sonho lúcido: Será que o Banco do Brasil vai entrar em crise no sistema financeiro?  


 Naquela vivacidade de imagens impressionáveis que se desenrolavam no desdobrar do meu sono físico, desperto na cama e fico tentando compreender o sentido sugestivo daquele sonho que sugestionava fortemente ideias de mudanças de ambiente e local de trabalho.
Além do Plano Carnal
 Abrahão Ribeifro
Voz Q Clama
Intensivo Difusão Espiritualidade Evangélica – I D E
    Voz do Espírito




sábado, 21 de abril de 2012

PREEXISTÊNCIA DA ALMA - Além do Plano Carnal






    Conforme afirma o preceito cristão: nada há encoberto que não haja de revelar-se, e nem oculto que não haja de saber-se (Mateus 10. 26).


   O que vos falo secretamente, dizei-o em luz; e o que escutais aos ouvidos, anunciai sobre os telhados (Mateus 10. 27).
  O Criador quer que a criatura seja plenamente feliz, erradique a ignorância do entendimento e integre-se à luz em todos os seguimentos da existência.
      Deus faculta o progresso no campo material e, em muito mais proporções na dimensão espiritual para que o ser alcance a sua plenitude celeste.
       Está nos desígnios divinos o progresso em todos os sentidos da vida: saber, moral, razão, justiça, amor e felicidade.



    Assim ninguém vive sem causa e finalidade racional, pois os mistérios da vida são progressivamente descortinados à mente humana.
  Esforce-se diariamente a criatura a mentalizar reflexões sadias referentes aos problemas do ser, do destino, da evolução e buscar secretamente na intimidade de sua consciência que Deus, certamente, sugestionará pelos fios invisíveis do pensamento muitas respostas sobre o que somos, de onde viemos, e para onde iremos após a nossa jornada terrena.      
                  

    E se Deus revelou os mistérios das causas espirituais a quem houve merecimento, e uma das quais a que precede os renascimentos da alma na vida material: o princípio da preexistência espiritual. 
            Logo não se deve enterrar esse tesouro de conhecimentos, temos que multiplicar esses talentos que o Senhor da Vida depositou em nossas mãos, repartindo essas noções com os irmãos da caminhada humana a fim de que as pessoas possam entender um pouco os véus que encobrem os mistérios da existência humana na Terra.  


     Visualizava constantemente uma criança recém-nascida no ambiente de minha casa, acordava durante a noite tendo a impressão nítida de sentir o seu corpo tenro nos meus braços, às vezes tinha fleches mentais rápidos e entrevia nas percepções de minha mente essa criança.
       Muitas vezes sonhava conscientemente com essa mesma criança que queria compartilhar familiarmente o meu carinho de pai, e quantas ocasiões eu bloqueara essas informações que me eram sugestionadas pelas vias do sonho lúcido nos momento de repouso físico.

      E eu estava relutante e não abria o meu coração para as belezas da faculdade que era exatamente ser um Pai, nos moldes da fraternidade cristã.
          E assim aceitar e receber aquela alma que sutilmente esforçava-se em manter comigo uma freqüência mental de harmonização, para num futuro próximo, tomar a forma humana pelas vias do amor filial.

    Até que não pude mais relutar contra os planos de Deus. E os sonhos tornaram-se realidades, e aquela alma no perfil de uma criancinha que há mais de dois anos antes de seu nascimento na existência física, se ambientava fluidicamente no meu lar físico, e que estava sendo vislumbrada sutilmente por mim conseguiu enfim penetrar na minha mente paterna, para um dia finalmente, abrir os olhos para vida carnal.

       No sexto mês de gestação de minha esposa estávamos tomando as providencias cabíveis para o nascimento do futuro filho, escolhendo o título para o seu registro, já tínhamos uma relação com muitos nomes, uma lista com várias sugestões. Simpatizamos com alguns nomes dessa listagem, perfazendo dessa forma uma pequena seleção composta de dez para a escolha final.
    Uma semana depois ocorreu um lance oportuno que clareou nossas idéias e conseguimos aceitar como mais uma benção que serviu para comprovar a preexistência inteligente do ser espiritual antes de concretizar a sua encarnação terrena.   
  Pelas vias do sono físico em alta madrugada, sonhei lucidamente, pois me vi transportado para uma dimensão que parecia uma campina verdejante, de repente um ser espiritual com o perfil de um bebê, e aparência daquela mesma criancinha que há meses estava sutilmente entrando em minha frequência mental, segura em minhas mãos com afeição, sinto o seu calor fraternal,
    voamos mentalmente com prazer por sobre aquela paisagem paradisíaca, o sonho era tão real que eu sentindo as percepções inteligentes daquele espírito na forma de um bebê,
    resolvo então confabular com esse ser um momento bem receptivo, e pergunto-lhe telepaticamente: Qual o teu nome? E ele me responde com carinho sutilmente pela voz do pensamento.

     No desenrolar daquele sonho feliz por mais de uma vez eu lhe perguntei o seu nome não porque estava em dúvida com a sua resposta, mas porque queria sugestionar-me se aquele sonho era simplesmente um sonho ou, uma revelação espirituale aquele bebê pequenino confirmou sempre o mesmo nome.


    Finalmente desperto no plano físico e imediatamente vou procurar papel e caneta e anotar aquele nome para não esquecê-lo no decorrer da noite.
     No dia seguinte pego a nota de listagem em que constavam os nomes indicados para registar a criança, e surpreendo-me, pois aquele nome figurava na listagem dos dez nomes mais qualificados por nós seus pais, para fazer a certidão de nascimento do futuro neném.
   Compreendi mais uma lição que, na dimensão do espírito, amparado pelos os Anjos guardiões aquele ser que ainda estava em gestação já possuía uma individualidade espiritual definida, e estava feliz com os preparativos para o seu futuro nascimento no plano carnal, irradiando uma atitude de carinho e até me ajudando a escolher sugestivamente pelas vias do sonho lúcido o seu nome para futuro registro na vida material.


   Preexistência espiritual: fato do ser espiritual existir no plano mental extrafísico (dimensão espiritual) antes de sua encarnação, ou reencarnação na vida humana.


   Nota: Um exemplo esclarecedor de preexistência espiritual compreende-se na programação existencial de João Batista (aquele que batizava os pagãos às margens do rio Jordão), e que era filho de Zacarias e Isabel. Numa existência anterior há 9 séculos passados esse espírito vivera outra experiência na vida material, na qual fora o profeta Elias.

     O período anterior à encarnação atual que vivemos é que se chama preexistência espiritual, consultar na narração do evangelho de Lucas capitulo 1, na Bíblia sagrada, e no livro do profeta Malaquias capítulo versículo 1 e,  cap. vers 5. E, passagem testemunhada publicamente até por Jesus Cristo, vide Mateus capítulo 11 vers 10 a 15, confirmando assim os fatos históricos dessa reencarnação. 


    Família e filhos não desfragmentam energias e sim somatizam essas forças, e se alguém se sente temeroso em perder energias com causas que são princípios naturais de evolução, é porque não está devidamente consciente no foco de luz da criação cósmica de Deus.


Além do Plano Carnal 
Abrahão Ribeiro    
  Voz Q Clama
Intensivo Difusão Espiritualidade Evangélica – I D E
    Voz do Espírito




sábado, 7 de abril de 2012

LUZ DO PRINCÍPIO - Além do Plano Carnal






        Deus é imaterial, e Deus é Espírito (João 4. 24 - Bíblia sagrada),  eis a verdade imutável.
     E nos planos imateriais da existência onde somente o pensamento pode se tornar visível e sentir a presença de Deus como fonte suprema da Vida, compreende-se que: não há raciocínio mais sábio que esse da Gênese bíblica para elucidar a causa da vida.
      E no começo de todas as coisas disse Deus: haja luz! E a luz se fez. E outro principio de vontade providencial que demonstra que a energia criadora é movida por uma causa racional:  "Deus é o Pai das Luzes" – apóstolo Tiago 1.17 Bíblia sagrada

   Deus, sentindo o silêncio nos espaços infinitos irradia uma Luz imensurável e gera os Agentes Divinos para expansão e glória da vida, no qual Cristo e suas Potências Angélicas integram-se nessa unidade de Verbo Criador, com o Pai.


       E vendo Deus que tudo isso tinha sentido, a sua mente criadora irradia Luz que agrega forças eletromagnéticas que originam fontes de energias que formam a matéria do principio e que estruturam os corpos celestes, as dimensões extrafísicas, as constelações de astros, enfim as galáxias. Nesta causa inteligente temos a consolidação física do Universo.

    O que adiantaria o Universo sem seres para o habitarem?  Funcionaria como uma casa deserta, tal qual uma obra sem utilidade.

     O Poder Mental do Criador entra em ação e irradia Luz que se divide em elementos vitais e vão formar milhares e milhares de centelhas que pulsam forças eletromagnéticas.
        Os elementos vitais do principio são submetidos no espaço e tempo a passar por uma série de programas existenciais para desenvolverem os níveis conscienciais da razão do Ser.

    Os elementos vitais incorporam energia condensada do plano astral e sob a ação físico-química dos corpos celestes, e sofrem múltiplos nascimentos nas energias do plano material para desenvolverem por meio de provas a razão do Ser: o saber, a moral, a capacidade de sentir, do belo, do amor, da perfeição à imagem do seu Criador. Assim no espaço e tempo das energias do reino animal desenvolve-se a consciência humana.

      Após cada etapa de aprendizado no plano material o Ser desfaz-se do corpo animal pela lei natural de falecimento orgânico (morte), devolvendo ao seio da natureza os elementos químicos utilizados no plano astral onde habita.
                 E, assim a consciência que é um raio de luz, adentra novas dimensões da vida em planos extrafísicos retornando para uma análise de foro íntimo diante da Luz Divina Criadora.

   Aqueles que estão perceptíveis à Luz Divina, que um dia na aurora dos tempos os gerou, abrem-se no extrafísico das dimensões astrais os canais da percepção mental, na dimensão infinita do imaterial, para novos aprendizados nos planos das energias irradiantes como consciência espiritual.

  Sucedem-se os planos mentais de consciências da vida até o Ser complementar a perfeição que o integra relativamente à Luz Suprema na sua origem chamada de PAI, onde somente no seio imaterial do Criador, o ser alcança as energias divinas para desfrutar atividades de harmonia do belo e da perfeição, intensificando a felicidade global na casa universal como consciência celeste.         
   "Na casa do Pai Celeste há muitas moradas", sintetizou Jesus. Essas palavras do Mestre Divino na sua análise profunda quer dizer as infinitas dimensões de planos de energias nos mais diversos estados de composição: condensadas, fluídicas, irradiantes de luminosidade espiritual, onde o ser consciencial habita fazendo o seu aprendizado intenso para a sua integração celeste como filho da Luz. 
  O planeta Terra na sua cosmografia de educandário de provas e expiações é o habitat "morada" dos seres humanos..

   Os filhos maiores da Luz desempenham funções de messias celestiais, guias de humanidades. Assim é a ação de todas as mentes unidas no ideal sagrado da vida: do bem; do amor; da sabedoria; e que se integram como agentes invisíveis no seio imaterial do Universo, e contexto supremo com o Pai da Criação.

  Quando despertamos como consciência diante da Vida, desabrochamos a razão do ser sob a tutela do Cristo celeste, e percebemos os Universos visíveis e invisíveis que já estavam no tempo e espaço estruturados como obra universal do Criador.

    Assim como entendemos e afirmamos que uma obra de arte é criação de uma mente genial e que expressa na sua intimidade uma filiação com o seu autor criador.
    Nessa mesma relação compreendemos que todas as coisas: matéria, espírito, luz, consciência, vida, seres vivos, astros, enfim a Natureza infinita - são agentes idealizados por razão superior à razão humana, e o seres inteligentes que integram a existência racional desses Universos são filhos da Inteligência Suprema e Criadora do Cosmos - Deus.

     Pai Nosso que estás nos Céus - Espírito e Vida que cria, move e sustenta todos os planos da criação universal.
 Além do Plano Carnal 
Abrahão Ribeiro
Voz Q Clama
Intensivo Difusão Espiritualidade Evangélica – I D E
    Voz do Espírito